Hey, how you doing?

Bom, caras, primeira postagem aqui, heh. Quem sou eu? Olhe no menu, na parte de “Quem escreve?”.

SOBRE O QUE ESCREVER? LÁ VAMOS NÓS.

Vou falar sobre a coisa mais clichê (ou mainstream) das últimas semanas. Alguém adivinha? Nem um palpite?.. E se eu der um doce? Ninguém?.. Poxa, vou dar uma dica: MANIFESTOS. 

É, isso aí, manifestos. Quem foi que acertou? O cara de camiseta azul? Pois pegue seu doce na saída, senhor.

Pois bem, comecemos com um trecho da, provavelmente, minha blogueira preferida. 

“[…]O gigante acordou

Chupa governo
Viva o comunismo
Vamos tomar o poder
Polícia cão-de-guarda do governo
Não pensa
Só obedece
Exigimos reajuste salarial aos médicos
E frentistas
E a todos os meus amigos funcionários públicos um beijo gente
Legalize já porra
Regulamentação aos profissionais do sexo
Jovens unidos
Ei você aí você é um conformado
Vá se foder seu rebeldezinho de merda
Viva la revolución
Cotas para negros em concursos públicos
Abaixo à manipulação da mídia
Vote em mim não nele não vote em mim
Copa é o caralho[…]”
(Pra quem quiser visitar o blog dela, é: http://danielemolina.blogspot.com.br/)
Eu poderia ter resumido a postagem nesse trecho-que-é-quase-inteiro, mas… mas eu não quero. By the way, quero deixar claro que esse é o meu ponto de vista e vou tentar resumir ao máximo, então mil perdões se ficar sem sentido and stuff. (E perdão se alguém não gosta de palavrões). 
ENFIM, DESSA VEZ EU COMEÇO. 
Bom, tudo começou quando um belo dia, seguido de uma bela noite, seguido de outro belo dia, o pequeno gigante, que sempre pensou em tomar café como os grandes mas ovomaltine nas suas manhãs, quando soube que o café ia aumentar seu preço, queria porque queria experimentar o café. E nisso, decidiu que começaria a trabalhar como um gigante adulto, comer como um gigante adulto e agir como um gigante adulto pra ter os privilégios de um gigante adulto. Mas ele ainda era um pequeno gigante, e parte do seu corpo repudiava seus atos de gigante adulto. Aí, em menos de três semanas, ao invés de lutar pelo que se descobriu o “apogeu dos desejos”, voltou a se comportar como um pequeno gigante. 
Que tipo de gigante é esse? 
Antes de tudo: SIM, EU APOIO OS ATOS.
Só que tudo isso virou uma palhaçada. E lhes digo mais, algo que vi no twitter e que apenas fala da realidade, “Eu não estava dormindo, nem o movimento feminista, nem o movimento gay, nem nenhum outro”, ou coisa do tipo. É realmente bom ver que tem gente que realmente está se engajando pra melhorar o país, de verdade, mas é como dizem, “tem pessoas e pessoas”, porque ao mesmo tempo que há gente nas ruas porque ainda acredita nesse país, há gente que simplesmente pegou carona nos protestos… Foi até decepcionante durante um ato ouvir a pior coisa (preparem seus corações): [insira pausa dramática] “PAI, PODE VIR ME BUSCAR? TÁ CHOVENDO”. Partiu meu frágil coraçãozinho, mas não mais que saber que a maioria das pessoas que compartilhou lindas imagens sobre os manifestos, infinitas hashtags de #vemprarua e foi aos manifestos, acharam que não faria diferença e voltaram a ser quem eram. Mas ainda sim, nem sei se foi isso que me doeu mais, ou se foi as depredações, que acabaram com o espírito de esperança do país, pra alguns.
Nos manifestos houve todo o tipo de gente, todo o tipo de interesse, e de tudo, qual foi a sua colaboração? Você está satisfeito com a sua parte?
Se acha que te ofendi em algum momento, falando sobre os manifestantes inconstantes e se sente satisfeito com a sua parte, faça-me um favor e acompanhe esse blog: http://feridosnoprotestosp.tumblr.com/
“Só peixe morto vai com a maré”.
Não foi uma crítica aos manifestos, e sim aos manifestantes.
“Leonardo da Vinci, mas eu não!”
(E se ficou sério demais, eu te conto uma piada na próxima postagem, okay?)
PS: Quanto ao senhor de azul, acabaram-se os doces.